Prof.ª Kimiko

DEPOIMENTO

      Olá! Me chamo Kimiko Uchigasaki Pinheiro. Atualmente faço parte do quadro permanente de professores do curso de Licenciatura em Letras-Japonês da Universidade de Brasília.

       Ingressei no curso de licenciatura em Japonês no 1º semestre de 2000, e me formei no 2º semestre de 2004. Apesar de ser descendente de japoneses, não tinha tido nenhum estudo da língua japonesa antes de ingressar no curso, portanto, iniciei com hiragana e katakana e tive que me dedicar bastante, mas sempre tive muita ajuda de todos os professores (dos sensei). No sexto e no sétimo semestre participei dos cursos intensivos de verão e de inverno na Fundação Japão em São Paulo. E logo que terminei o curso fui contemplada por uma bolsa da Fundação Japão para passar seis semanas no Japão. Conhecer o Japão foi um sonho realizado e vivenciar  a língua com os nativos, foi uma experiência muito gratificante!

      Quando voltei tive a oportunidade maravilhosa de trabalhar com os sensei,  lecionando língua japonesa na graduação como professora substituta por dois anos.   Assim que terminou o contrato, recebi novamente da Fundação Japão outra bolsa de estudos para fazer um curso de treinamento para professores e, durante seis meses, morei na província de Saitama, junto com os professores de língua japonesa de 27 países diferentes.

      Depois disso voltei a lecionar, agora no UnBIdiomas. Depois de dois anos voltei a trabalhar como professora substituta por mais dois anos e ingressei no mestrado em Linguística Aplicada da UnB. Terminei o mestrado e fui contratada uma terceira vez. Depois de uma longa caminhada como professora substituta, prestei o concurso em 2014 e pude assumir como professor membro do quadro permanente em janeiro de 2015.

        A escolha do curso inicialmente foi por acaso, mas quando conheci melhor os professores e o objeto de estudo, me apaixonei e comecei a dedicar integralmente nisso.

        No início, tive bastante dificuldade no processo de aprendizagem da escrita, e tentei quebrar essa barreira escrevendo e repetindo bastante, diariamente, os vocabulários, os textos, e os exercícios do material nihongoshoho. Acho que essa etapa foi importante para o desenvolvimento do processo de aprendizagem, porém, atualmente recomendo ao uso e à leitura de textos variados disponíveis na internet, usufruindo assim da tecnologia a favor da apropriação de uma língua.

        Olhar para a língua japonesa como um objeto de estudo e de forma mais ampla favorece a percepção das estruturas da língua como um todo, como que ela se organiza estruturalmente. E a apropriação dela se dá quando nos arriscamos a experienciar o novo, mesmo que em pequenos textos e em alguns momentos específicos, seja em sala de aula, com colegas, ou com os professores.

        Quando fazemos as trocas enunciativas, ou seja através das interações, é que percebemos que finalmente estamos dando conta de se expressar na língua alvo tão desejada.

         E é isso desejo que vocês acreditem no que faz, confie nos seus esforços e crie hábito de novas conquistas, pois, o estudo de uma língua é vasto e complexo. Mas este se torna possível quando exercitamos a nossa mente para que o que nós objetivamos na nossa vida dê certo.